Mais do que questões económicas, a fonte de perigo para 2024 é geopolítica, com nuvens negras no horizonte a todos os níveis – nacional, regional e mundial. Os cidadãos, as organizações multilaterais e os líderes empresariais devem ser os motores da agenda de desenvolvimento sustentável e os defensores da paz e da prosperidade. Para que 2024 seja o ano da vida sustentável e não da vida perigosa
POR FILIPE SANTOS
©Center for Responsible Business and Leadership da CATÓLICA-LISBON

Penso que 2024 será um ano perigoso para a sustentabilidade e a prosperidade a nível mundial.

Ironicamente, a razão não é económica, apesar da súbita inflação, do rápido aperto monetário e da ameaça de recessão. Contra a maioria das previsões, a inflação está agora sob controlo e parece ter-se conseguido uma aterragem suave na economia dos Estados Unidos, com as economias europeias a enfrentarem uma aterragem ligeiramente mais difícil, mas não uma recessão profunda. O aumento do custo do capital apanhou algumas empresas a “nadar nuas” e levou-as à falência, mas não tantas como se temia. Muitas empresas estão a reduzir os seus efetivos para diminuir a sua base de custos, mas os níveis gerais de emprego continuam elevados.

Agora, com a probabilidade de uma redução das taxas de juro em 2024 na maioria das economias desenvolvidas, o custo do capital diminuirá, o que promoverá o investimento empresarial e a estabilização económica. E, esperemos, o rápido desenvolvimento tecnológico a que estamos a assistir, nomeadamente com os avanços na IA e os fortes desenvolvimentos em sectores-chave como os cuidados de saúde, as TI, o sector automóvel e a energia, pode levar ao crescimento da produtividade e ao aumento do bem-estar, bem como a novas ferramentas para combater as alterações climáticas. De certa forma, os mercados livres com uma regulamentação sensata numa sociedade democrática estão a cumprir a sua promessa, embora seja necessário melhorar a igualdade económica, a inclusão, a utilização dos recursos naturais e a tributação.

Mais do que questões económicas, a fonte de perigo para 2024 é geopolítica, com nuvens negras no horizonte a todos os níveis – nacional, regional e mundial:

  • A nível nacional, muitos países estão a sofrer de uma política mais divisiva e ideológica, com a ascensão de partidos de extrema-esquerda e de extrema-direita e o enfraquecimento do centrismo político. A retórica furiosa está a prevalecer sobre o debate sensato, as posições ideológicas estão a sobrepor-se a propostas políticas sólidas baseadas na experiência e nos dados e os líderes políticos de renome estão ausentes. Isto leva os países democráticos a ficarem mais divididos internamente e faz com que os líderes autoritários pareçam mais apelativos. E, de facto, em vários países importantes, a democracia está a recuar e os regimes autoritários estão a crescer.
  • A nível regional, assistimos novamente a guerras entre países vizinhos, desestabilizando regiões inteiras. A invasão russa da Ucrânia está num impasse após quase dois anos de guerra, o novo conflito entre Israel e o Hamas está a desestabilizar a sensível região do Médio Oriente (bem como a dividir as sociedades em todo o mundo), e estes e outros conflitos de menor dimensão estão a criar imensas perdas e sofrimento humanos. Existe o perigo de a guerra se tornar “mais normal” e de surgirem outros conflitos e ameaças. O autoritarismo e a guerra andam de mãos dadas, uma vez que os regimes autoritários recorrem frequentemente à guerra para esconder as suas fraquezas e deficiências políticas ou como instrumento de construção de um império.
  • A nível mundial, assistimos na última década ao fim da ordem internacional regida pela hegemonia americana. Duas superpotências estão a competir pela influência mundial e, nesse processo, estão a surgir dois blocos mundiais. Estes blocos têm uma geografia algo variável, mas tipicamente opõem o Norte e o Sul ou opõem democracias liberais a regimes autoritários. Neste processo, as organizações multilaterais estão a perder influência ou a tornar-se meros instrumentos da agenda política dos países mais poderosos. As Nações Unidas, por exemplo, parecem impotentes neste novo ambiente político.

2024 será, de facto, um ano perigoso para a sustentabilidade e a prosperidade a nível mundial: No entanto, a humanidade é resiliente e nunca antes houve tanto talento, conhecimento, capital e tecnologia para resolver problemas sociais e planetários. A agenda de desenvolvimento sustentável, proposta pelas Nações Unidas em 2015, continua a ser um quadro inspirador para orientar a nossa atenção, políticas, estratégias e ações. É necessário acelerar os progressos no sentido desta agenda e 2024 deve ser um ano em que a agenda da sustentabilidade prove mais uma vez a sua resiliência.

Um desafio fundamental é o facto de a sustentabilidade só poder ser alcançada através da cooperação e da solidariedade. Assim, no contexto perigoso que descrevi, qual é o caminho a seguir? Acredito que vários fatores são fundamentais para tornar 2024 e os próximos anos positivos para a Humanidade e o Planeta:

  • Defesa e ação inteligentes dos cidadãos em questões de sustentabilidade: as pessoas devem falar e agir, mas têm de o fazer de forma inteligente e dar o exemplo. O ativismo ambiental radical terá como reação uma oposição ideológica.
A eleição de partidos populistas para o poder aumentará o isolacionismo e não oferecerá soluções para os problemas complexos que os países e o Planeta enfrentam. A resistência popular a tentativas de reforma, mesmo que tímidas, tornará os líderes políticos menos corajosos para implementar as políticas necessárias. Queixar-se dos problemas mas não ajustar os comportamentos individuais conduzirá a resultados fracos. Os cidadãos, tanto individual como coletivamente, são mais poderosos do que nunca, na era dos meios de comunicação social e devido aos conhecimentos e recursos disponíveis.
  • Reforço das organizações multilaterais por parte dos líderes mundiais: as questões complexas que o mundo enfrenta, como as alterações climáticas, os problemas de saúde mundiais, a reforma fiscal mundial, os fluxos migratórios, a perda de biodiversidade, a política de concorrência, os litígios comerciais mundiais e as questões de justiça mundial, exigem organizações regionais e mundiais fortes, financeiramente autónomas e legítimas, com os recursos, o saber-fazer e o mandato para intervir, como reguladores, decisores políticos, árbitros em litígios ou inovadores mundiais. Sem a governação global proporcionada por estas organizações, incluindo também as grandes fundações, será muito difícil resolver os problemas que a humanidade enfrenta. Por isso, 2024 precisa de ver um reforço das organizações multilaterais, que devem assumir posições e ações mais corajosas em defesa dos valores humanos.
  • A responsabilidade pela agenda da sustentabilidade por parte das grandes empresas: num mundo perigoso, cada vez mais orientado pela “real politik” dos poderosos Estados-nação, as grandes empresas multinacionais têm de assumir a responsabilidade por elementos importantes da agenda da sustentabilidade. Poucas organizações têm a influência, os recursos e o alcance globais das grandes multinacionais. Estas estão muito bem alinhadas com a agenda da sustentabilidade, uma vez que a maioria das multinacionais só pode prosperar num mundo sustentável, próspero e pacífico. São tão grandes e influentes que já não devem responder apenas aos acionistas, mas sim representar a esperança para a humanidade e servir de exemplo dos benefícios da iniciativa privada, operando em mercados livres, que prosperam respondendo às necessidades e desejos das pessoas e comunidades que servem. Enquanto a liderança política está a faltar, a liderança empresarial precisa de dar um passo em frente.

Os cidadãos, as organizações multilaterais e os líderes empresariais devem ser os motores da agenda de desenvolvimento sustentável e os defensores da paz e da prosperidade. Para que 2024 seja o ano da vida sustentável e não da vida perigosa.

Tenham uma semana óptima e cheia de impacto!

Filipe Santos

Dean da CATÓLICA-LISBON

Artigo da Newsletter 223 do Center for Responsible Business and Leadership da CATÓLICA-LISBON

Filipe Santos

Dean da CATÓLICA-LISBON

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui